Quando se fala em zona de conforto muitas pessoas imaginam um “lugar/espaço psicológico” confortável, seguro e acolhedor. Dessa forma, porque sair de lá?
Na realidade a zona de conforto muitas vezes acaba se tornando uma prisão emocional, mas, diferente da ideia que se tem sobre prisões, esse cárcere não tem amarras reais ou trancas e portas fechadas. A única força que restringe as mudanças é a segurança do que já é conhecido ou como gostamos de dizer ‘Síndrome de Gabriela’ (eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim).

Os perigos dessa situação são maiores quando te encarceram ao comodismo, privando da liberdade de arriscar, limitando suas escolhas, porque não está tudo bem, não é bem desse jeito que você gostaria, mas é melhor assim. Será?

Permanecer num relacionamento ruim, realizar um trabalho insatisfatório, estar cercado de relações destrutivas ou que te inferiorizem, estar infeliz com o próprio corpo ou com a autoimagem, mas permanecer inerte por ter medo do novo é um sinal de que alguma coisa precisa mudar.

Somos seres em constante transformação e o NOVO é algo com que vamos nos deparar com frequência, sempre haverá uma nova situação ou acontecimentos inesperados e pessoas diferentes transitando por nossas vidas. A mudança é um processo saudável e faz parte da vida. Arriscar-se e mudar, ou começar algo novo não é um processo seguro, uma vez que todo ganho envolve uma perda, mas vale a pena porque gera crescimento pessoal, amplia as perspectivas, aumenta as possibilidades de escolha e o autoconhecimento. É importante lembrar que o autoconhecimento não significa permanecer na zona de segurança, apenas que você estará mais preparado para encarar os desafios e lidar com as consequências das suas novas escolhas, sejam quais forem. Saia aos pouquinhos respeitando seus limites; saia de uma vez; ou expanda sua zona de conforto de modo que novas experiências também lhe tragam segurança, mas arrisque-se! Permita-se e experimente algo novo, veja a vida de um ângulo diferente, e se, no fim ainda não estiver satisfeito, arrisque-se de novo!

Vá sempre em busca daquilo que lhe faz bem, que motiva a querer mais, e como consequência, a conquistar mais.

PsicON – A Psicologia conectada com você

Autor: Cristina Santana

Anúncios